quinta-feira, 2 de junho de 2016

UMA PAUSA FAZ BEM.

Enquanto demoramos em nossas razões, intrigas e futilidades, o amor se manifesta diante de um convite irrecusável para apreciarmos mais a vida. 
Uma pausa faz bem.

Organizar o nosso mundo íntimo, buscando encontrar em nós aquele silêncio que apazigua as tormentas, faz com que possamos estar mais atentos e receptivos a esta sublime canção da natureza.

Existem situações que são como, "coisas que não são nossas", mas que insistimos em carregá-las conosco. Este hábito tão comum, faz com que pouco a pouco nos tornemos pessoas ansiosas, desconfiadas, querendo sempre estar um passo a frente de tudo.

Que tal começarmos uma verdadeira faxina em nosso interior? O convite é descermos até o porão da nossa alma e verificar tudo o que não combina mais com nossa decoração íntima e assim poder abrir mão de "tudo aquilo que já cumpriu com sua parte em nossa vida". Que tal começarmos agora?

Podemos e devemos silenciar estas tormentas, afim de que possamos ouvir, sentir e participar deste convite sublime.

Convite que esta acontecendo neste instante, ao nosso redor.
Uma pausa faz bem!

José Antonio da Cruz

Catanduva-SP, 02/06/2016

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Conecte-se

Não faça da "virtualidade" uma faca de dois gumes.
Tudo deve estar a serviço do nosso progresso, com equilíbrio e bom senso,
portanto levantemos as seguintes questões:

E se a internet acabasse hoje... 

- O que eu seria ao deixar de estar em muitos lugares ao mesmo tempo?
- Onde eu me encontraria?
- Com o que eu me identificaria?

Esteja onde estiver, conecte-se com o "momento", pois ao deixar de presenciá-lo, ele se tornará apenas uma lembrança distante de algo que foi muito bom, mas por algum motivo, Eu não estava lá...




sexta-feira, 4 de setembro de 2015

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Felicidade

(...) e a calma, em meio as tempestades da vida, não será felicidade?
[Fenelon, 1860 - E.S.E - Cap. V - item 23]


quarta-feira, 1 de julho de 2015

Paz Interior - Breves reflexões em áudio...

Ressentimentos, mágoas, ódios... Estaria eu permitindo abrigo e alimentando estes inimigos 
em mim?


Paz Interior
Reflexão realizada via telefone, para o programa Elucidações Espíritas (04/01/2015)
Rádio Vitoriosa AM de Uberlândia-MG

Apresentação Mauro Moraes.

quinta-feira, 11 de junho de 2015

E POR ACHAR QUE TUDO É NORMAL, NOS DISTRAÍMOS.

Criamos valores em que realizado é aquele que vive para conquistar cada vez mais, afinal, eu não quero acordar pela manhã e descobrir que o “pasto” do vizinho está mais verde que o meu. Este é o conceito enlatado em que todos somos programados, nele, eu devo sempre estar atento aos supostos concorrentes. Que alias pode ser você.

É que entre tantos sons e ritmos diferentes, acabamos por 
nos tornar distraídos, achando que tudo faz parte de uma certa “normalidade”, enquanto isso, a alienação é convidada a entrar pela porta da frente de nossos lares, passando a exigir cada vez mais de nós.

Que entre e fique a vontade! Afirmaremos, com a desculpa de que tudo isso faz parte de nossa época e que os tempos são outros. 

Realmente, são outros! 

E como resultado, vemos indivíduos enfermos, com baixa estima, isolados, angustiados e com profundas perturbações. Como entender e aceitar que não há como promover mudanças sem transformações íntimas. 

Onde fica os valores do espírito se não temos mais tempo para o ser, para apreciar o que é belo, um sorriso, um olhar, ou simplesmente desacelerar para respirar melhor. Será que já nos demos conta do quanto é prazeroso respirar em paz conosco mesmo?

Que possamos fazer desta “nossa época”, uma época de grandes conquistas e transformações interiores e assim, afirmar com a paz na consciência de quem bem serve.

Hoje... Eu fiz a diferença!



José Antonio da Cruz
Catanduva, 10/06/2015